Acervo

Luiz Wanderley – Baiano Burro Nasce Morto

Comentários(13)
  1. Azaury gomes disse:

    Para mim, ele foi o maior cantor de forró e grande compositor que Alagoas e Brasil já teve. Esse Leopoldinense que deixou uma grande lacuna na música nordestina, jamais terá uma substituto á altura de sua grandeza musical.

    Azaury Gomes – Recife -PE

    1. Rodrigo Carneiro disse:

      olá, sou natural de Colonia Leopoldina, sou Professor de História da rede Estadual e tenho um interesse já antigo de realizar um trabalho mais aprofundado sobre essa figura injustamente esquecida em nossa cidade. segue me e-mail: r.carneiro111@gmail.com

  2. Azaury gomes disse:

    PORQUê TAMBÉM NÃO, O LUIZ ?

    Nosso objetivo é que o cantor e compositor Luiz Wanderley, tenha o reconhecimento merecido em sua terra natal, como um artista leopoldinense de raro talento, foi além da sua versatilidade artística, grande vulto da Música Popular Brasileira. Compôs inúmeras músicas para famosos cantores, elevou o nome de seu estado e sua cidade no cenário artístico por onde passou; durante as décadas de cinqüenta, sessenta até o final dos anos setenta, tornando-se uns dos maiores cantores da época. Amadurecidos em nossos conhecimentos, concluímos sem dúvida alguma, que o mesmo defendeu talentosamente a música nordestina, tanto nas suas composições como nas interpretações, inerentes ao seu próprio e único estilo de se apresentar ao público. Fazendo-se precursor de muitos cantores que atualmente se encontram na mídia.

    O saudoso conterrâneo Luiz, colocou alma na música genuinamente nordestina ao sotaque alagoano, sem o holofote da mídia atual, que na época somente poderia ser ouvido através das ondas hertzianas de rádios, com precariedade no sistema de difusão, mesmo assim, conseguiu passar sua mensagem musical para todos os recantos deste país; ainda hoje elogiado e pesquisado em todo Brasil. Através da internet chegam a questionar: – Onde nasceu o Luiz Wanderley? Nós sabemos, para isto é que estamos divulgando a sua história, mas as interrogações persistem! De passagem, queremos lembrar o que ouvimos de um locutor de uma emissora maceioense, a seguinte narração: “Acabamos de ouvir este bonito forró de um cantor nascido na cidade de Palmeira dos Índios”. Tudo bem, é Alagoas, mas, Colônia de Leopoldina é sua verdadeira terra. .

    Afinal, não queremos com isto trazê-lo de volta às paradas de sucesso, mas sim, lembrá-lo como um referencial, um artista da terra. Acreditamos ser impossível retroceder o tempo, mas, é possível evitar que uma obra tão valiosa em termo de repercussão nacional, seja jogada num esquecimento de um passado, mas que sirva de orgulho, e inspiração às novas gerações de artistas que poderão vir a surgir nesta difícil arte, de fazer música e interpretá-la com qualidade.

    Podemos ter a certeza de que através desta simples conscientização, estamos também compartilhados na WEB, na abordagem deste tema.

    AZAURY GOMES

  3. Azaury gomes disse:

    O cantor e compositor Luiz Wanderley de Almeida, compôs centenas de músicas de todos os gêneros musicais. Além disso, participou de dois filmes em 1960. foram eles VAI QUE É MOLE, apresentando a música MINEIRO SABIDO e SÓ NAQUELA BASE, com o rock CAROLINA. Nesses filmes de chanchadas, estavam com ele os grandes atores da época : Ankito, Grande Otelo, Jô Soares, Dercy Gonçalves, Renato Restier, Carlos Imperial e Ronaldo

  4. Azaury gomes disse:

    Foram encontradas 29 faixas de autoria de Luiz Wanderley.
    Clique sobre os nomes das faixas para conhecer os respectivos discos
    A banda da Dona Vera em VIDA – Ara Ketu (2000)
    Arranje outro amor (Eu não presto pra você) em DENY & DINO – Deny e Dino (1969)
    Banho de perfume em APAIXONADA – Banda Beijo (2000)
    Cabecinhas em VIDA – Ara Ketu (2000)
    Coroné Antônio Bento em LADJA BETANIA – Ladja Betania (2001)
    Coroné Antônio Bento em COM VOCÊ… MEU MUNDO FICARIA COMPLETO – Cássia Eller (2000)
    Coroné Antônio Bento em TRIBUTO A TIM MAIA – Tim Maia / Vários Intérpretes (2000)
    Coroné Antônio Bento em TRIBUTO A TIM MAIA – Tim Maia (1999)
    Coroné Antônio Bento em VELHOS CAMARADAS – TIM MAIA, CASSIANO e HYLDON – Cassiano / Hyldon / Tim Maia (1998)
    Coroné Antônio Bento em CÁSSIA ELLER – Cássia Eller (1994)
    Coroné Antônio Bento em TIM MAIA – Tim Maia (1970)
    Coronel Antônio Bento em CÁSSIA ELLER AO VIVO – Cássia Eller (1996)
    Dor maior em AGEPÊ – Agepê (1979)
    É o fim em DENY & DINO – Deny e Dino (1967)
    Eu gosto demais da menina em OS ORIGINAIS DO SAMBA – VOL. 2 – Originais do Samba (1969)
    Eu não presto pra você em À PROCURA DE VOCÊ – Reginaldo Rossi (1970)
    Eu vou pagar pra ver em O SAMBA É A CORDA… OS ORIGINAIS A CAÇAMBA – Originais do Samba (1972)
    Fogo no forró em AGEPÊ – Agepê (1985)
    Forró do rela bucho (Rela o bucho da morena) em PRENDA O TADEU – Maria Alcina (1985)
    Forró veneno em NA BATIDA DA ZABUMBA – Trio Forrozão (2000)
    Good night my love em SÓ VOU CRIAR GALINHA – Golden Boys (1971)
    Levada do amor (Ailoviu) em EXPERIMENTA – Banda Eva (2000)
    Matuto transviado em JOÃO BATISTA DO VALE – João do Vale (1995)
    Me beija em ME BEIJA – Gil (2001)
    Menina triste em CORUJA – Deny e Dino (1966)
    O rodo em VIDA – Ara Ketu (2000)
    Rei Pelé em SOUVENIR DE CARNAVAL – Waldir Azevedo e Sua Bandinha (1962)
    Requebrado diferente em GINGA NO ASFALTO – Germano Mathias (1962)
    Trabalhadores do Brasil em O GRANDE PRESIDENTE – BETH CARVALHO e JOÃO NOGUEIRA – Beth Carvalho / João Nogueira (1989)

  5. Azaury gomes disse:

    Luiz Wanderley nos anos 60 participou de um filme da Atlântida, com a Música Carolina, não a Carolina de Luiz Gonzaga, nem tão pouco a de Chico Buarque de Hollanda, mas sim a dele própria; em ritmo de rock falava da perna da Carolina. Período que o rock-n-roll estava começando no Brasil “contagiando” a moçada. Sendo um artista completo, versátil e satírico, fazia imitação de vários cantores, cantava em todos os ritmos, chegava a ser confundido com outros cantores da época.
    Em 1963, ele regravou a música Número um, em ritmo de bolero, a qual fez muito sucesso por todo nordeste, especialmente em Recife, tornando-o ainda mais conhecido na região e revelando sua outra vocação como interprete de boleros. Sua atuação era mais na Bahia e as regiões sul e sudeste. Teve contratos nas rádios Nacional e Mayrink Veiga no Rio de Janeiro. Aqui no Recife, fez várias apresentações na TV Jornal do Commercio-Canal 2, no programa “Você faz o show”, do saudoso apresentador Fernando Castelão. Chegando o mesmo a convidá-lo para apresentações semanais junto com Raul Gil, proposta não firmada devido ao compromisso artístico no sul do país, e as constantes viagens que faria ao Recife e talvez o medo de avião, conforme o mesmo revelado posteriormente. Por falar em avião, lembro-me de um fato que ainda não esqueci, como menino curioso na época, na primeira apresentação do cantor em Colônia Leopoldina, Alagoas, sua terra natal; ouvi dele em conversava com um grupo de amigos acerca da proposta de Castelão: – “É UMA BOA PROPOSTA E OS AVIÕES BOINGS SÃO RÁPIDOS, MAS ESTÃO SEMPRE EXPLODINDO NO AR, EU VÔO NELES, MAS COM MUITO RECEIO”! Estava começando a era dos jatos no Brasil e o medo de Wanderley de voar fazia transparecer!
    Luiz Wanderley fez escola na sua maneira “sui-generis” de cantar! Os mais antigos lembram de seus sapateados, do côco-rojão, das “mungangas”. Foi ele o precursor do “forró buliçoso”, deu alma ao forró. Seus seguidores são muitos, pois, deixou um grande legado artístico. Junto com outros grandes, contribuíram bastante para a música autêntica nordestina: o forró-pé-serra. Influenciou cantores como Alceu Valença, Sandro Becker, Maciel Melo e outros mais neo-cantores de forró de nossa geração que proliferam a cada dia. E não são poucos! Eles nunca fizeram referências ao cantor, talvez por desconhecimento ou orgulho mesmo! Cabe a nós reconhecermos o tributo ao cantor e não deixar de enaltecer as qualidades raras desse valoroso cantor e compositor, porque vivemos no país do esquecimento, onde os valores são invertidos e as boas coisas passam despercebidas. É como disse Genival Lacerda: “Acabou-se o forró como grandes forrozeiros faziam: Não há mais um Luiz Wanderley, um Jackson, um Jacinto” (publ. Jornal do Commércio 31-04-2004).
    Nesse gênero musical, se me perguntarem que é o melhor? Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, Ary Lobo, Jacinto Silva, Genival Lacerda e Luiz Wanderley. Eu respondo sem pestanejar: Todos são exelentes!

    Azaury G. Ferreira

    1. José Lessa disse:

      Caro Azaury. Acesse ao site e olhe em artigo. precisamos extreitar nosso relacionamento. Esta semana teremos publicações variadas sobre o Luiz Wanderley. Se poder mandar um TIM para contato agradeço.

  6. Azaury Gomes disse:

    Gostei bastante de ver os VIDEOS de LUIZ WANDERLEY no YOU TUBE. Acredito eu, que são inéditos, e de boa qualidade! Sua apresentação em dois filmes nacionais de 1960.

    Para acessá-los direto, click: GOOGLE, e logo em seguida escreva: VIDEO FLASH 1960.

  7. A. Gomes disse:

    Gostei bastante de ver os VIDEOS de LUIZ WANDERLEY no YOU TUBE. Acredito eu, que eles são inéditos, e de boa qualidade! Foi uma apresentação do cantor em dois filmes nacionais, no ano 1960.

    Para acessá-los direto, abra o GOOGLE, e logo, escreva: VIDEO FLASH 1960.

    Fácil, não é?

    1. José Lessa disse:

      Caro amigo.

      Muito obrigado pelqa dica, meu tele 92-9629-3323

  8. Azaury Gomes disse:

    Lessa,

    Abraços e obrigado pelo número telefõnico. Tão logo, ligarei.
    Ouça uma música de Luiz Wanderley, por este link:

    http://youtu.be/S2Mpz5xDpC4

  9. Azaury Gomes disse:

    Lessa,

    Abraços e obrigado pelo número telefõnico. Tão logo, ligarei para você. Ouça uma música de Luiz Wanderley, dedicada á sua terra natal, acesse este o link:

    http://youtu.be/S2Mpz5xDpC4

    ( ESTE TEXTO REVISA E SUBSTITUE OS ANTERIOS ENVIADOS)

    1. José Lessa disse:

      Caro amigo. O site está passando por uma situação díficil. Meu tele é 82-3221-4346

Deixe uma Resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são requeridos *